Ideias Emergentes

Produção Cultural, CRL

“Silêncio dos Meus Sonhos” de Santa Cruz

“Silêncio dos meus sonhos” é uma obra plena de um lirismo sóbrio, fruto de vida, onde o instante nos surge contaminado pelos valores do amor e da amizade.


SANTA CRUZ

Santa Cruz, nascido no meio de uma família humilde a 4 de Outubro de 1948, na Freguesia de Santa Cruz do Douro, concelho de Baião, Distrito do Porto. Ali passou a sua infância e frequentou a escola primária. Em Maio de 1962, quase a fazer 14 anos, foi para Lisboa trabalhar na construção civil e mais tarde num armazém de mercearia, regressando à sua aldeia nos finais de 1964, rumando posteriormente ao Porto onde trabalhou de novo na construção cível e numa fábrica de Têxteis. Em inícios de 1966, volta novamente à aldeia, dedicando-se à agricultura, e em Setembro desse mesmo ano foi para a Barragem de Bagaúste (Régua), agora como farramenteiro e apontador. Em Outubro de 1969, vai cumprir o serviço militar, estando, de Maio de 1970 a 15 de Julho de 1972, na Guiné. Após o regresso, volta para a construção civil, seguindo-se uma oficina de metalurgia. No entanto, em 1974 faz a formação para agente da PSP, desistindo após o 25 de Abril. Em Julho desse ano ingressa no Caminho de Ferro, Ex-Sociedade Estoril, hoje CP, Linha de Cascais, onde se inicia como factor, passando por chefe de estação, até chegar ao topo da carreira com a categoria de inspector chefe de transportes, reformando-se em 1 de Novembro de 2003. Como só possuía a 4.ª classe, regressa à escola em 1992, concluindo o 9.º ano. Aquando da reforma, foi novamente estudar, tirando o Curso Básico de Teologia, no Centro de Cultura Católica da Diocese do Porto. Católico praticante, no dia 8 de Dezembro do corrente ano de 2010, será Ordenado Diácono Permanente. Actualmente presta serviço gratuito na Paróquia de Rio Tinto. Define-se como uma pessoa simples, que gosta de ajudar o próximo, de ler e escrever umas charadas, como ele gosta de chamar, e de fazer amigos Verdadeiros, porque quando se refere aos “meus amores” é a família e às “minhas eternas flores” são os amigos e amigas.

%d bloggers like this: